06 junho 2007

MORTE = OBRA DIVINA?

Ontem um grande amigo meu faleceu. Ataque cardíaco no banheiro. Tinha apenas 33 anos. Casado, e com uma filha que vai nascer daqui a 5 meses.

O irmão, que mora em Portugal, vai casar na terrinha daqui a um mês. Ele chega hoje... um dia depois do enterro. Algumas pessoas me disseram que era obra divina. Fico na dúvida. Será? Vamos aos fatos:

1) Um cara sensacional, bacana, amigo, boa praça e de bom coração.
2) A esposa, grávida, acha ele caído no banheiro.
3) O irmão, tratando de 500 coisas referentes ao casório, tem de voltar para ajudar sua mãe e dar o apoio necessário, já que o pai faleceu algum tempo atrás.

Eu poderia colocar mais mil fatos referentes ao ocorrido, mas vou parar. Estou triste.. assim como as 300 pessoas que estiveram no enterro.

Porquê ele? Todos se perguntaram... tanta gente ruim que deve morrer e continua aqui, matando, estuprando, causando danos a várias famílias... continuam vivas e dando trabalho.

Então.. que obra divina pode ser essa? Alguém deve estar de sacanagem. E não sou eu! E não eram as pessoas que estava lá chorando, embasbacadas com o ocorrido. Não era a esposa, a mãe, os parentes...

Algum dia chegará a minha vez. Pode ser hoje, amanhã, daqui a 60 anos! Só peço para quem fez isso com ele que reveja seus conceitos. Não é justo. Não é certo. Não é natural.

Somos frágeis e cada dia que passa vejo que não tem ninguém vendo ou tomando conta da gente. Ou se tiver realmente alguém, ou algo, ele deve estar muito ocupado com coisas sem valor.

Fico grato por ter conhecido uma pessoa como ele. Foi importante na minha vida. E foi importante para muita gente. Fique em paz meu amigo. E se um dia encontrar com ELE, ou ELA, ou quem quer que seja... peça para que preste mais atenção.

Obrigado por tudo... Bernardo.

2 comentários:

Ed disse...

Meu bom companheiro Kaká...
Não dá pra avaliar a perplexidade que toma conta da gente em momentos como esse. E nesses momentos não podemos - e quem somos nós - dizer que "há tanta gente que merece morrer". Justamente por não podermos definir o fim da vida de alguém é que o mistério continua, e ganha ares de descrença. Como você disse, ele lhe ensinou muito da vida. Então esta foi a missão dele, e certamente não foi somente para você. Sei que a dor é forte, e a partida inexplicável. E vamos estar sempre despreparados para episódios assim. É por isso que - mais do que nunca - se faz necessário viver mais intensamente cada amizade, cada relação amiga. Força meu camarada.

Anônimo disse...

Grande Ed. Valeu meu caro!